A referência de tempo na afasia não-fluente por dois falantes de português brasileiro

Juliana Andrade Feiden, Ingrid Finger

Resumen


Em estudos recentes realizados na área da afasiologia, postula-se que a natureza do déficit observado na marcação morfológica dos verbos na linguagem é seletiva, ou seja, os morfemas que indicam tempo verbal parecem ser mais prejudicados em comparação com aqueles que marcam concordância. Esses déficits parecem estar relacionados, principalmente, à dificuldade na referência a um evento ocorrido no passado, quando comparado a eventos no presente e no futuro. Em nível nacional, não há estudos que analisam a produção de formas verbais na fala espontânea de afásicos não-fluentes (AFN). Assim, o objetivo foi investigar em que medida a flexão verbal relacionada à referência de tempo pode estar prejudicada na AFN. Além disso, visou-se a verificar se existe dissociação entre a marcação de concordância verbal e a referência de tempo na produção da fala na AFN. Participaram dois indivíduos com ANF (1) C.A., 60 anos, 11 anos de escolaridade e com afasia de Broca, e (2) M., 48 anos, 13 anos de escolaridade, com afasia do tipo Transcortical Motora. Utilizou-se uma versão da Entrevista de Memória Autobiográfica para avaliar a memória semântica pessoal e autobiográfica dos sujeitos. Os resultados indicaram uma dificuldade maior no emprego de formas verbais relacionadas à referência de tempo passado, se comparado aos ocorridos no presente e no futuro. Foi possível observar também uma maior dificuldade por parte de ambos informantes na produção de formas verbais envolvendo o Pretérito Imperfeito e uma dissociação entre referência de tempo e concordância verbal, sugerindo que o déficit na produção dos verbos pode ser seletivo, sendo a referência de tempo mais prejudicada na produção da linguagem. Estudos como esse são um pequeno passo no sentido de ampliar a compreensão de como déficits linguísticos impactam a comunicação oral na afasia, contribuindo para qualificar a avaliação das dificuldades reais desses indivíduos e aperfeiçoar as formas de diagnóstico e de reabilitação, com vistas a propiciar maior integração do afásico na família e na comunidade.
Palavras-chave: afasia não-fluente, agramatismo, flexão verbal na afasia, referência de tempo, parafasia morfêmica.

Texto completo:

PDF


https://www.ebsco.com     http://www.redalyc.org     http://pepsic.bvsalud.org     https://doaj.org     http://www.latindex.org     http://www.psicodoc.org     https://scholar.google.com