Acidente vascular cerebral frontal direito na fase crônica: auto e heteroavaliação da impulsividade e da disfunção executiva

Morgana Scheffer, Francielli Galli, Juliana Jaboinski, Lisiane Bizarro, Rosa Maria Martins de Almeida

Resumen


Lesões em circuitos frontais do hemisfério direito podem causar prejuízos nas funções executivas (FEs), bem como alterações do humor, tendência a comportamentos perseverativos e impulsivos. A percepção concordante, ou discordante entre pacientes e familiares na acerca destes prejuízos pode trazer consequências para o tratamento. Este estudo teve por objetivo comparar a autoavaliação de pacientes que sofreram Acidente Vascular Cerebral (AVC) em circuitos frontais do hemisfério direito com avaliação de familiares próximos quanto à presença de impulsividade e disfunção executiva (DE). A amostra compõe 13 adultos que sofreram AVC com lesão de no mínimo seis meses e idades entre 30 e 79 anos (M = 64,61; DP = 8,21) e seus familiares. Todos responderam ao Questionário Disexecutivo (DEX), à Escala de Impulsividade de Barratt (BIS-11) e à Escala de Avaliação da Impulsividade (ESAVI). A análise de correlação intraclasse indicou não haver concordância entre auto e heteroavaliação nos diferentes instrumentos. A partir do cálculo das diferenças de escores entre pacientes e seus familiares, os casos foram divididos entre os que apresentaram maior concordância e maior discrepância. Tal distribuição foi confirmada pelo algoritmo ALSCAL. Os grupos foram comparados e, tanto a avaliação da DE quanto da impulsividade sugerem diferenças entre percepções de pacientes e familiares nos casos em que houve discrepâncias. As diferenças entre as duplas apontam que familiares avaliaram os pacientes como mais prejudicados do que os próprios pacientes nos escores DEX; BIS (motor; planejamento futuro; total); ESAVI (concentração e persistência; controle cognitivo). O estudo sugere cautela na utilização de medidas de autorrelato e assinala a importância de desenvolver instrumentos de heteroavaliação. Além disso, as discrepâncias encontradas neste estudo sugerem a necessidade de avaliação de quadro de anosognosia.
Palavras-chave: Doença vascular cerebral, lobo frontal, avaliação de familiares, hemisfério direito, comportamento.

Texto completo:

PDF


https://www.ebsco.com     http://www.redalyc.org     http://pepsic.bvsalud.org     https://doaj.org     http://www.latindex.org     http://www.psicodoc.org     https://scholar.google.com